segunda-feira, março 01, 2010

Paixão


"Ela sabe que não se consegue precisar o momento, a hora, o dia em que uma pessoa fica apaixonada. Sempre um pouco antes, sempre um pouco depois. Ela sabe que não se pode revelar definitivamente como, e porquê, uma pessoa ficou apaixonada por esta pessoa, precisamente esta, e não por outra muito parecida com ela. Qualquer razão perde a razão. O que uma pessoa pode sentir é se está ou não apaixonada. Que houve um estreito abismo, sem saber quando nem como, sobre o qual sabe que saltou. Sem poder avaliar as consequências. Como uma doença. Não é só isso. Uma pessoa quando está apaixonada não está continuamente apaixonada, muito menos com a mesma intensidade. Varia muito. Acontece uma pessoa duvidar se está ou não apaixonada. Ficar totalmente baralhada. É mais fácil uma pessoa sentir a paixão por outra pessoa quando ela não está presente. Isso parece-lhe um fato. A sua ausência aumenta o poder da sua presença. A paixão é mais sua, mais inteira, há menos interferências. Com ela é assim. Sente um vazio que só o outro, único no mundo todo, vai poder preencher, sarar, cuidar. Uma espécie de saudade imperiosa. Uma questão de vida ou de morte."


3 Lembranças:

Luciana P. disse...

E paixão é isso mesmo, não se sabe precisar com exatdão quando e o quanto se está apaixonado(a). Simplesmente acontece! É muito bom, pena que passa!


Lindo texto!


Beijos e ótima terça pra ti!

Xanele disse...

Nossa incrível o post
Paixãoooooooooo
beijo amore

EU SOU NEGUINHA disse...

A PAIXÃO É DELICIOSA,PENA QUE SEJA RAPIDA E FUGAZ.
BEIJOS AMIGA,TE AMUUUU